Economia na pandemia

Crise global e o impacto na economia, na política, na sociedade e no meio ambiente

Osmar Gomes de Alencar Júnior, Maria de Fátima Vieira Crespo e Wagna Maquis Cardoso de Melo Gonçalves
(Orgs.)

Este livro coletivo é resultado do esforço empreendido por pesquisadore(a)s nas discussões realizadas durante as atividades do curso de extensão intitulado Economia na Pandemia: a conjuntura de crise global e os rebatimentos na economia, na política e no meio ambiente, promovido pelos docentes do Curso de Ciências Econômicas em parceria com os membros do Observatório do Fundo Público (OFP) – Núcleo de estudo, pesquisa e extensão, ambos, da Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar) – no período de 30 de setembro a 18 de dezembro de 2020; e com a contribuição do Centro de Estudos do Trabalho e Ontologia do Ser Social (CETROS), da Universidade Estadual do Ceará (UECE). O que era uma “gripezinha” tornou-se um genocídio da população brasileira, em especial, daqueles extratos mais vulneráveis econômica e socialmente.

Na essência, a estratégia política e econômica adotada pelo governo Bolsonaro para sair da crise de acumulação do capitalismo global aprofundada pela pandemia combinou necropolítica e neoliberalismo hayekiano; o que, por um lado, levou um maior número de brasileiro(a)s a se contaminar e morrer pelo negacionismo e, por outro, relegou muito(a)s trabalhadore(a)s ao confinamento, sem trabalho ou auxílio emergencial digno e levou outro(a)s a serem obrigados a continuar nos seus postos de trabalho sem proteção e com salários rebaixados.

Essa estratégia necroneoliberal foi fundamental para a explosão da contaminação e da morte entre a classe trabalhadora, uma vez que sem trabalho e sem auxílio emergencial ou com trabalho desprotegido e com renda reduzida, milhares de trabalhadore(a)s morreram de fome e/ou sem ar, contaminado(a)s por Covid-19, nas suas casas ou nas longas filas dos hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS), sucateado desde sua criação. Contribuiu, também, para que menos recursos públicos fossem destinados para os gastos com as políticas sociais, favorecendo a redistribuição do gasto federal em favor da fração da burguesia financeira nacional e internacional, credora da dívida pública federal brasileira.

Essa coletânea foi pensada nesse cenário de radicalização política e econômica para inibir a crise de acumulação e salvaguardar os lucros da fração da burguesia financeira nacional e internacional deixando um rastro de destruição e mortes na classe trabalhadora.

O projeto gráfico e a diagramação desse ebook foram elaborados pela Diagrama Editorial.

diagramação economia na pandemia

Acesse o conteúdo do livro ↓
o carregamento pode demorar devido ao tamanho do arquivo.

Veja também:

Ebook Future-se

Future-se

Ataque à autonomia das instituições federais de educação superior e sua sujeição ao mercado

Neste livro, os autores tiveram como principal intenção entender o Future-se a partir de sua articulação com a legislação e as práticas hoje vigentes, e de fatores variados que, constituídos ao longo das últimas décadas, conduziram à formulação de uma proposta de reforma de natureza tal que, ao ver destes autores, traduz-se em severo ataque à autonomia universitária e em clara tentativa de sujeição das Federais à lógica do mercado.

Ebook Future-se

Questões e tendências contemporâneas do capitalismo

desdobramentos para as políticas sociais e o Serviço Social

A publicação desta coletânea veio em boa hora. O lançamento de um livro ou coletânea acadêmica sempre pode ser considerado oportuno ao ampliar o conhecimento sobre os fenômenos analisados, além de evidenciar o esforço, individual ou coletivo, despendido em estudos e pesquisas. Esta coletânea, porém, contém dimensões que lhe conferem relevância especial para os estudiosos e pesquisadores das Ciências Sociais e, especialmente, para o Serviço Social, por várias razões.

Ebook Future-se

A Coeducação entre Gerações

Este ensaio tem o objetivo de contribuir para os estudos que visem qualificar as práticas educativas ambientais, principalmente no ensino fundamental e médio, e para a educação ambiental popular, ao procurar subsidiar essas práticas e quem sabe animar novos encontros e processos dialógicos entre gerações, dentro e fora das escolas, sobre e para a sustentabilidade. Além de, porventura, fornecer elementos que de alguma forma se desdobrem em novas pesquisas acadêmicas afins, levando-se em conta a relevância temática e a necessidade de mais saberes a respeito das relações intergeracionais e suas potencialidades para uma real coeducação. E para fazer outros ensaios e publicações, por que não? É o desejo da autora.

Siga-nos!

Abrir o chat
1
Posso te ajudar?
Olá!
Posso te ajudar?